LANÇAMENTO

O HERÓI PROVISÓRIO

Romance histórico baseado no Episódio Cormoran, Ilha do Mel, Paranaguá/PR, 1850. Através de vigoroso painel histórico e humano, expõe o borramento da fronteira entre a historiografia oficial e a ficção

Foto: Alan Romero

“Etel sabe que escrever um romance é questão cosmológica. Esse Brasil do século XIX no qual mergulhamos é feito de concretudes. Sua linguagem não perde o ritmo. É caudalosa, generosa, inesgotável.”

Roberto Gomes, sobre O Herói Provisório
A jornada do Herói Provisório de volta à Ilha do Mel

A jornada do Herói Provisório de volta à Ilha do Mel

Voltei à Ilha do Mel, pela primeira vez, depois da publicação d´O Herói Provisório.

Leia mais

Caravana Literária: Paranavaí, Cidade Poesia

Caravana Literária: Paranavaí, Cidade Poesia

Nesta última semana vertiginosa, os assuntos se atropelaram. Volto no tempo, para falar de Paranavaí, cidade que, além da poesia, é também dos cafezais, simétricos em flor sobre a paisagem.

Leia mais

A emoção nada provisória na noite de lançamento d'O Herói Provisório

A emoção nada provisória na noite de lançamento d'O Herói Provisório

Deixo reservado em meu coração um espaço para guardar as lembranças de uma noite inesquecível, entre família, amigos, parceiros e os leitores que vêm chegando para se tornar amigos, que acolheram calorosamente a minha "criança recém-nascida".

Leia mais

Poemas que brotam da Terra Rica, destino da Caravana Literária

Poemas que brotam da Terra Rica, destino da Caravana Literária

Caravana Literária me levou para Terra Rica. A Secretaria Municipal de Educação e Cultura ocupou a praça em frente à sua sede. No meio da praça, está a Biblioteca cidadã Professora Sebastiana dos Santos. Em uma deliciosa tarde de calor, tinha uma árvore da qual brotavam poemas meus. Tinha ipê florido. Teve por-do-sol. Pela primeira vez na vida tive a felicidade de ter um público que era maior do que o número de cadeiras. Popstar.

Leia mais

Caravana Literária e os livros que eu amo

Caravana Literária e os livros que eu amo

Nos preparativos para o embarque na Caravana Literária, começo a selecionar o que devo levar na bagagem. Afinal, se vou falar de escrita e de leitura, vou falar dos livros que moram no meu coração, dos livros que me constituíram – para o bem e para o mal – na pessoa que hoje sou.

Leia mais


...vivendo a calmaria da serra. O horizonte recortado pelas encostas suaves...

...vivendo a calmaria da serra. O horizonte recortado pelas encostas suaves...

...Nascida a criança, não foi difícil à Dona Alfa ajeitar o batizado, da maneira mais confortável para todos. Mediante generosa contribuição do ainda inspetor Leonardo, arranjou-se a paternidade de Francisco Paulino, rapaz afeminado, também agregado da casa. Como era fato sabido que Francisco Paulino carecia de apetite para engravidar quem quer que fosse, precisou a fazendeira contar com a complacente anuência do Vigário Bartholomeu e, mediante uma polpuda contribuição à Irmandade de Nossa Senhora do Facam, tudo se ajeitou.

O menino Joaquim Ferreira teve, então, essa infância silenciosa, isolada, pontuada por lendas, vivendo a calmaria da serra. O horizonte recortado pelas encostas suaves. Muito ao longe, a trilha rasgada no verde, por onde as comitivas subiam e desciam sem parar, parecendo, aos seus olhos, carreiras de formigas. O mundo começava e terminava ali....

Ilustração do enforcamento do escravo Sebastião, 1841. Autor desconhecido

Ilustração do enforcamento do escravo Sebastião, 1841. Autor desconhecido

...Dos seis aos vinte e um anos, nada lhe aconteceu de notável, exceto ter sido levado pela madrinha para assistir à execução de um escravo por enforcamento. Engoliu em seco a essa lembrança. Foi a primeira vez que padeci com um pesadelo que até hoje me acompanha, Tristão. No sonho, aterrorizante, brotavam nuvens de mamangavas do solo sob o cadafalso de onde pendia o negro enforcado. Essa imagem das vespas pretejando o céu, o zumbido estarrecedor, voltou a atormentá-lo desde os primeiros combates de que participou, e o acompanhou pelo resto da vida, todas as vezes em que teve que encarar a morte. Ainda dessa vez calou o conteúdo de horror daquele sonho recorrente.

Outro acontecimento desse período, mas que causou menos comoção a Joaquim do que o enforcamento, foi a partida da moleca Jerônima, junto com outra comitiva. Assim como veio, foi embora. A senhora Alfa proibiu que se pronunciasse o nome da ingrata dentro de casa, e assim o assunto foi prontamente esquecido...

Conego Januario da Cunha Barbosa. Sisson, Sebastien Auguste, 1824-1898.

Conego Januario da Cunha Barbosa. Sisson, Sebastien Auguste, 1824-1898.

“...era um Joaquim, de sobrenome Ferreira, baptizado na data que o Historiador Davi Carneiro registrara como a de nascimento do herói. Era o que de melhor eu encontrara ao longo da peregrinação desses anos todos. Decidi que estava encerrada a minha pesquisa com relação à ascendência do herói e decretei que, se informação não havia, ficava o Narrador autorizado a construir para Joaquim uma infância de filho bastardo de Leonardo, o legítimo pai de Januário da Cunha Barbosa. Ele assim o fez, embora não sem os pruridos éticos que teve a prudência de relatar na sua crise de consciência...”


Próximos Lançamentos

BONITO/MS FLIBonito

17 a 19ago2017

ADIADO
Aguarde nova divulgação de data

Cornélio Procópio/PR

4nov2017
Sábado - 19h00

Clube Kaikan
Tv. Joaquim Botas Margarido, 133-249

Etel Frota

Contato

  • Fone:

    +55 41 99857-7222

  • E-Mail:

    Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Social